Por que a Identificação e a Avaliação São Importantes? | Unidos pela nutrição clínica

Por que a Identificação e a Avaliação São Importantes?

Benefícios da Identificação e Avaliação de Risco Nutricional

O diagnóstico precoce da desnutrição relacionada a doença é o primeiro passo na administração eficiente desse problema de saúde prevalecente. Em um estudo abrangente, verificou-se que apenas 50% dos pacientes desnutridos foram identificados na prática clínica regular.1 A desnutrição grave pode ser identificada com bastante facilidade, ao passo que os estados menos graves, particularmente em pacientes com condições complexas, tendem a tornar-se evidentes apenas em estágios mais avançados de tratamento.2 Por esse motivo, a avaliação obrigatória usando-se um método validado de risco nutricional é recomendada para a identificação e tratamento precoce da desnutrição. Esses métodos validados de avaliação de risco nutricional provaram-se eficientes na identificação de pacientes em risco.3,4

Os Pacientes Beneficiam-se das Avaliações de Risco de Nutricional

Quando a avaliação de risco nutricional é realizada, os efeitos deletérios da desnutrição relacionada a doença podem ser prevenidos ou reduzidos. Os benefícios incluem:

  • Cicatrização de feridas mais rápida5
  • Menos complicações5,6,7,8,9
  • Redução do número de infecções5,7,8,10
  • Duração reduzida de ventilação mecânica9,10
  • Menor tempo de internação6,11
  • Mobilização mais rápida e menos convalescência6
  • Melhor qualidade de vida12

A Detecção Precoce É Importante para Permitir uma Boa Nutrição Clínica

Para combater a desnutrição relacionada a doença e suas consequências, a pronta identificação do estado nutricional comprometido e o início imediato do tratamento são cruciais para pacientes em grupos de risco nutricional. Hoje, apenas 50% dos casos de desnutrição relacionada a doença são identificados na prática clínica regular.1,13

Um bom tratamento nutricional é uma parte vital da gestão de pacientes e inclui:

  • Avaliação adequada da condição nutricional
  • Decisão sobre a estratégia nutricional
  • Cálculo das necessidades de energia e nutrientes
  • Decisão da via de administração
  • Monitoramento rigoroso da terapia nutricional
  • Gestão competente de complicações

Métodos Recomendados de Avaliação de Paciente

Diversos métodos de avaliação foram desenvolvidos para detectar a desnutrição energética e proteica em pacientes. Os métodos de avaliação também são eficientes para prever se a desnutrição é provável ou se pode piorar. A Sociedade Europeia de Nutrição Clínica e Metabolismo (ESPEN) estabeleceu diretrizes para avaliação do risco nutricional de pacientes hospitalizados14 sugerindo os seguintes métodos para evitar o esgotamento desnecessário de nutrientes:

  • Avaliação de Risco Nutricional de 2002 (NRS 2002) para uso no ambiente hospitalar14
  • Avaliação Global Subjetiva (AGS) para uso no ambiente hospitalar15
  • Método Universal de Avaliação de Desnutrição (MUST) para uso na comunidade14
  • Miniavaliação Nutricional (MNA) para uso em idosos14

Geralmente, os métodos mais comuns utilizados para prever e identificar desnutrição são a avaliação da condição nutricional com o NRS 2002, MUST ou AGS, bem como a interpretação de parâmetros bioquímicos.

Cada método de avaliação é recomendado para diferentes populações de pacientes, contextos de tratamento e grupos etários. Os critérios para seleção da ferramenta adequada também incluem a validade e confiabilidade do método, seu poder preditivo, aceitabilidade por parte de pacientes e cuidadores, e a simplicidade do uso.4

Os métodos consideram perda de peso, índice de massa corporal, níveis de albumina sérica, sinais físicos de desnutrição, idade, gravidade da doença entre os sinais de desnutrição relacionada a doença.16

A avaliação é o segundo passo da gestão nutricional eficiente. É uma avaliação detalhada, mais específica e aprofundada das causas de desnutrição e os fatores de risco para deficiência de nutrição e fluidos.

A avaliação deve ser realizada por um especialista em nutrição (por exemplo, um nutricionista, um médico interessado em nutrição, ou um enfermeiro especialista em nutrição) ou por uma equipe de suporte nutricional. O julgamento clínico é essencial para decidir sobre o tipo de acompanhamento adequado. A conclusão da avaliação permite intervenções que podem levar a melhores resultados.

 

  • 1. a. b. Kruizenga HM, Van Tulder MW, Seidell JC et al. Effectiveness and cost-effectiveness of early screening and treatment of malnourished patients. Am J Clin Nutr 2005;82:1082- 1089.
  • 2. Kruizenga HM, de Jonge P, Seidell JC et al. Are malnourished patients complex patients? Health status and care complexity of malnourished patients detected by the Short Nutritional Assessment Questionnaire (SNAQ). Eur J Intern Med 2006;17(3):189-194.
  • 3. Tappenden KA, Quatrara B, Parkhurst ML et al. Critical role of nutrition in improving quality of care: an interdisciplinary call to action to address adult hospital malnutrition. JPEN 2013;37(4):482-487.
  • 4. a. b. Van Bokhorst-de van der Schueren MA, Guaitoli PR, Jansma EP et al. Nutrition screening tools: does one size fit all? A systematic review of screening tools for the hospital setting. Clin Nutr 2014;33(1):39-58.5
  • 5. a. b. c. Waitzberg DL. Efficacy of nutritional support: Evidence-based nutrition and cost- effectiveness. Nestle Nutr Workshop Ser Clin Perform Programme 2002;7:257-271.
  • 6. a. b. c. Correia MI, Waitzberg DL. The Impact of Malnutrition on morbidity, mortality, length of hospital stay and costs evaluated through a multivariate model analysis. Clin Nutr 2003;22(3):235-239.
  • 7. a. b. Jie B, Jiang ZM, Nolan MT et al. Impact of nutritional support on clinical outcome in patients at nutritional risk: A multicenter, prospective cohort study in Baltimore and Beijing teaching hospitals. Nutrition 2010;26(11-12):1088-1093.
  • 8. a. b. Kennedy JF, Nightingdale JM. Cost savings of an adult hospital nutrition support team. Nutrition 2005;21(11-12):1127-1133.
  • 9. a. b. Heidegger CP, Berger MM, Graf S et al. Optimisation of energy provision with supplemental parenteral nutrition in critically ill patients: A randomized controlled clinical  trial. Lancet 2013;381(9864):385-393.
  • 10. a. b. Alberda C, Gramlich L, Jones N et al. The relationship between nutritional intake and clinical outcomes in critically ill patients: Results of an international multicenter observational study. Int Care Med 2009;35(10):1728-1737.
  • 11. Martin CM, Doig GS, Heyland DK et al. Multicentre, cluster-randomized clinical trial of algorithms for critical-care enteral and parenteral therapy (ACCEPT). CMAJ 2004;170(2):197-204.
  • 12. Ha L, Hauge T, Spenning AB et al. Individual, nutritional support prevents undernutrition, increases muscle strength and improves QoL among elderly at nutritional risk hospitalized for acute stroke: A randomized, controlled trial. Clin Nutr 2010;29(5):567- 573.
  • 13. NICE: National Collaborating Centre for Acute Care. Nutrition support in adults: Oral nutrition support, enteral tube feeding and parenteral nutrition. Methods, evidence and guidance. Londres 2006.
  • 14. a. b. c. d. Kondrup J, Allison SP, Elia M et al. ESPEN Guidelines for Nutrition Screening 2002. Clin Nutr 2003;22(4):415-421.
  • 15. A.S.P.E.N. Board of Directors and the Clinical Guidelines Task Force. Guidelines for the use of parenteral and enteral nutrition in adult and pediatric care. JPEN 2002;26:1SA-138SA.
  • 16. Mueller C, Compher C, Ellen DA et al. A.S.P.E.N. Clinical Guideline: Nutrition screening, assessment, and intervention in adults. JPEN 2011;35(1):16-24.

mais informações

Mulher no leito hospitalarartigoO que é Desnutrição Relacionada a Doença?
profissional
nutricionista
enfermeiro/a
farmacêutico/a
médico/a
Sobre Desnutrição Relacionada a Doença
Paciente no hospital usando uma balançaartigoIdentificação de Risco Nutricional
profissional
enfermeiro/a
Identificação e Avaliação do Risco Nutricional
Nutricionista e médico analisando o prontuário do pacienteartigoMétodos de Identificação de Risco Nutricional
nutricionista
médico/a
Identificação e Avaliação do Risco Nutricional

Downloads