Métodos de Identificação de Risco Nutricional | Unidos pela nutrição clínica

Métodos de Identificação de Risco Nutricional

O Primeiro Passo no Combate à Desnutrição Relacionada a Doença

A identificação adequada é o primeiro passo no processo mais complexo de avaliação nutricional. No entanto, em alguns países da América Latina, a avaliação de risco nutricional não é realizada rotineiramente, o que eleva o risco de desnutrição. Para evitar o esgotamento desnecessário de nutrientes, todos os pacientes hospitalizados devem ser avaliados para um potencial risco nutricional conforme recomendado pela Sociedade Americana de Nutrição Parenteral e Enteral (A.S.P.E.N.)1 e a Sociedade Europeia de Nutrição Clínica e Metabolismo (ESPEN).2 A avaliação pode ser usada para determinar se são necessárias informações adicionais de uma avaliação para garantir uma intervenção.1

Os papéis e as responsabilidades dos profissionais de saúde que fazem a avaliação podem variar dependendo do país e se é um hospital público e privado, bem como os recursos disponíveis. As informações contidas neste artigo devem servir como um guia geral.

Métodos Recomendados de Avaliação de Paciente

Diversos métodos de avaliação foram desenvolvidos para detectar a desnutrição energética e proteica em pacientes. Os métodos de avaliação comuns são eficientes para prever se a desnutrição é provável ou se pode piorar. Com base nas diretrizes da Sociedade Europeia de Nutrição Clínica e Metabolismo (ESPEN),2 a Sociedade Americana de Nutrição Parenteral e Enteral (A.S.P.E.N.),3 os métodos abaixo foram recomendados para evitar o esgotamento desnecessário de nutrientes:

  • Avaliação de Risco Nutricional de 2002 (NRS 2002)2
  • Avaliação Global Subjetiva (AGS)3
  • Método de Avaliação Universal de Desnutrição (MUST)2
  • Miniavaliação Nutricional (MNA)2

NRS 2002: Avaliação Inicial para Pacientes Hospitalares

A ESPEN recomenda o protocolo NRS 2002 para detectar a presença e o risco de se desenvolver desnutrição no ambiente hospitalar. Este protocolo contém componentes do Método Universal de Avaliação de Desnutrição (MUST, na sigla em inglês) extendidos por uma classificação de gravidade da doença, uma juste da idade (se igual ou maior que 70 anos), e inclui todas as possíveis categorias de pacientes em um hospital.                                  

NRS 2002 faz quatro perguntas pré-avaliação relacionadas a pacientes adultos:4

  • O índice de massa corporal (IMC) do paciente é menor que 20,5? (IMC = peso/altura2)
  • O paciente perdeu peso nos últimos três meses?
  • O paciente teve uma redução na ingestão alimentar na última semana?
  • O paciente está gravemente doente (por exemplo, em terapia intensiva)?

Se a resposta for “Sim” para uma das perguntas durante a pré-avaliação, deve-se realizar a avaliação final. Se a resposta for “Não” para todas as perguntas, o paciente deve ser reavaliado em intervalos semanais para que o estado nutricional seja monitorado.

NRS 2002: Avaliação Final para Pacientes Hospitalares

Após a avaliação final, é dada uma nota de avaliação para identificar um estado nutricional potencialmente prejudicado e a gravidade da doença:4

Avaliação final do NRS 2002

Com base na nota do paciente, são recomendadas as avaliações e ações abaixo:

Avaliação final do NRS 2002

Avaliação Global Subjetiva

Como uma alternativa estendida do protocolo NRS 2002, a AGS pode ser usada para identificar pacientes desnutridos ou com risco de desnutrição, usando uma avaliação no leito hospitalar.5,6,7 A AGS considera não apenas alterações na composição corporal, mas também alterações nas funções fisiológicas. Originalmente desenvolvido para avaliar pacientes cirúrgicos, muitos estudos mostraram sua aplicabilidade em outras situações clínicas, avaliando pacientes com insuficiência renal, câncer, doenças hepáticas, bem como idosos e portadores do vírus HIV.5

Os critérios da AGS consideram os seguintes fatores:7

  • Perda de peso
  • Ingestão alimentar
  • Sintomas gastrointestinais (GI)
  • Capacidade funcional
  • Efeitos relacionados a doenças
  • Sinais físicos de desnutrição (perda de gordura subcutânea ou massa muscular, edema, ascite)

Se os pacientes recebem uma nota “A” na AGS, eles são considerados bem nutridos. Uma nota “B” na AGS indica um paciente moderadamente desnutrido.  E uma nota “C” na AGS indica um paciente gravemente desnutrido.

Identificações de Risco Nutricional: O Benefício para os Pacientes

Quando a avaliação de risco nutricional é realizada, os efeitos deletérios da desnutrição relacionada a doença podem ser prevenidos ou reduzidos.

Para ler mais sobre os benefícios da avaliação de risco nutricional, clique aqui.

A Detecção Precoce É Importante para Permitir uma Boa Nutrição Clínica

Para combater a desnutrição relacionada a doença e suas consequências, a pronta identificação do estado nutricional comprometido e o início imediato do tratamento são cruciais para pacientes em grupos de risco nutricional. Hoje, apenas 50% dos casos de desnutrição relacionada a doença são identificados na prática clínica regular.8,9,10

  • 1. a. b. Mueller C, Compher C, Ellen DA et al. A.S.P.E.N. Clinical Guidelines: Nutrition Screening, Assessment, and Intervention in Adults. JPEN 2011;35(1):16-24.
  • 2. a. b. c. d. e. Kondrup J, Allison SP, Elia M et al. ESPEN Guidelines for Nutrition Screening 2002. Clin Nutr 2003;22(4):415-421.
  • 3. a. b. A.S.P.E.N. Board of Directors and the Clinical Guidelines Task Force. Guidelines for the use of parenteral and enteral nutrition in adult and pediatric care. JPEN 2002;26:1SA- 138SA.
  • 4. a. b. Kondrup J, Rasmussen HH, Hamberg O et al. Nutritional risk screening (NRS 2002):  a new method based on an analysis of controlled clinical trials. Clin Nutr 2003;22(3):321-336.
  • 5. a. b. Barbosa-Silva MC, Barros AJ. Indications and limitations of the use of the subjective global assessment in clinical practice: an update. Curr Opin Clin Nutr Metab Care 2006;9(3):264-269.
  • 6. Keith JN. Bedside nutrition assessment past, present, and future: a review of the Subjective Global Assessment. Nutr Clin Pract 2008;23(4):410-416.
  • 7. a. b. Detsky AS, McLaughlin JR, Baker JP et al. What is subjective global assessment of nutritional status? JPEN 1987;11(1):8-13.
  • 8. Correia MI, Campos AC. Prevalence of hospital malnutrition in Latin America: The multicenter ELAN study. Nutrition 2003;19(10):823-825.
  • 9. National Collaborating Centre for Acute Care (UK). Nutrition Support for Adults Oral Nutrition Support, Enteral Tube Feeding and Parenteral Nutrition. NICE Clinical Guidelines, No. 32 Londres 2006.
  • 10. Tappenden K, Quatrara B, Parkhurst ML et al. Critical role of nutrition in improving quality of care: an interdisciplinary call to action to address adult hospital malnutrition. JPEN 2013;37(4):482-497.

mais informações

Senhora sorrindoartigoPor que a Identificação e a Avaliação São Importantes?
profissional
nutricionista
enfermeiro/a
farmacêutico/a
médico/a
Identificação e Avaliação do Risco Nutricional
profissionais da saúde sentados à mesa com produtosartigoImportância da Avaliação Nutricional
médico/a
Identificação e Avaliação do Risco Nutricional
profissionais da saúde sentados à mesa com produtosartigoRealização da Avaliação Nutricional
nutricionista
Identificação e Avaliação do Risco Nutricional
profissional da saúde falando com pacientes idosos sentadosartigoBoa Prática Nutricional
profissional
nutricionista
enfermeiro/a
farmacêutico/a
médico/a
Identificação e Avaliação do Risco Nutricional