Como é Aplicada a Nutrição Parenteral? | Unidos pela nutrição clínica

Como é Aplicada a Nutrição Parenteral?

Sistemas de Aplicação de Nutrição Parenteral e Meios de Administração

Misturas de nutrição parenteral (NP) contêm uma ampla variedade de componentes em diferentes quantidades e combinações. Existem diversos sistemas de aplicação disponíveis para atender a várias necessidades do paciente, incluindo:

  • Sistemas de frasco único
  • Sistemas tudo em um

Sistemas de Frasco Único

Com os sistemas de frasco único, aminoácidos, glicose, lipídios e eletrólitos são administrados paralelamente a partir de frascos separados pela junção de conectores múltiplos que alimentam um cateter comum IV. Vitaminas e oligoelementos normalmente são adicionados à NP a partir de preparos concentrados.1,2

O sistema de frasco único é associado a diversas desvantagens1,2, tornando seu uso inconveniente na prática clínica:

  • Necessidade de um conector e múltiplos conjuntos de administração
  • Exige frequentes substituições de frascos
  • Necessidade de ajustar taxas de fluxos diferentes e irregulares, além de fazer muitas adições
  • Probabilidade maior de erros de administração
  • Exige muito tempo

No entanto, se forem manuseados corretamente, os sistemas de frasco único oferecem uma maior flexibilidade no que diz respeito à dosagem e na elaboração de terapia de NP altamente específica, ajustando-se a várias necessidades do paciente.1,2

Sistemas Tudo em Um

Sistemas tudo em um (AiO) combinam todos os componentes de NP, macronutrientes, água, eletrólitos, vitaminas e oligoelementos em um frasco, que será administrado via um únic acesso de infusão.2

As vantagens clínicas das misturas AiO incluem:

  • Suprimento simultâneo de todos os nutrientes3,4,5
    • Melhor utilização e equilíbrio de nitrogênio3,4,5
    • Menos complicações metabólicas1,2
  • Menos manipulações
    • Menor risco de infecções5,6

Os sistemas AiO são disponíveis em três formas:

  • NP manipulada
  • Manipulação automatizada
  • Bolsas com múltiplos compartimentos

NP manipulada: Misturas prontas para uso

Semelhante ao sistema AiO, a manipulação permite o uso de misturas prontas para uso que podem ser ajustadas à energia, ao volume e às necessidades de substratos da maioria dos pacientes.

Misturas personalizadas são muitas vezes obrigatórias em pacientes com alterações constantes nos requisitos metabólicos (por exemplo, pacientes em tratamento crítico e pacientes com distúrbios metabólicos ou restrição de líquidos). A administração simultânea de todos os substratos reduz o risco de complicações metabólicas.1

Bolsas manipuladas são fabricadas assepticamente a partir de diversos componentes estéreis, normalmente em farmácias hospitalares, e são destinadas a administração venosa imediata sem a necessidade de misturar ou adicionar outros ingredientes. Devido à instabilidade físico-química, bolsas manipuladas exigem produção de curto prazo seguindo estritas técnicas assépticas por farmacêuticos especializados. O armazenamento adequado de bolsas manipuladas deve ser em temperatura entre 2 °C e 8 °C.1,2

O uso de bolsas manipuladas de fato traz grandes limitações, incluindo:

  • Grande consumo de tempo, materiais e instalações
  • Altos custos de pessoal
  • Maior risco de erros de prescrições em comparação com bolsas de múltiplos compartimentos7
  • Mais infecções da corrente sanguínea em comparação com bolsas de múltiplos compartimentos8
  • Custo mais elevado em comparação com bolsas de múltiplos compartimentos9

A terapia nutricional deve ser adaptada a condições clínicas específicas. Tais condições clínicas específicas incluem:10

  • Pacientes com insuficiência cardíaca (necessidade de NP de menor volume/mais concentrada)
  • Pacientes com insuficiência renal crônica e oligúria (exige uma NP com restrição de Na/K e de baixo volume)
  • Pacientes com insuficiência hepática (benefícios de NP enriquecida com o aminoácido BCAA de cadeia ramificada)
  • Pacientes com insuficiência intestinal ou fístulas de alto débito (maiores exigências de eletrólitos, vitaminas e oligoelementos)
  • Ao usar fatores de estresse, as exigências podem ter mais definições.

Manipulação automatizada

Em muitos grandes centros hospitalares, a manipulação de NP é realizada usando dispositivos automatizados. O uso de tais dispositivos pode diminuir o risco de risco humano, ao passo que melhora a precisão da fórmula e reduz o tempo de pessoal quando comparado à manipulação manual.11,12

Bolsas com Múltiplos Compartimentos

Bolsas com dois compartimentos

As bolsas com dois compartimentos são bolsas-padrão AiO com dois compartimentos contendo glicose e aminoácidos que serão misturados imediatamente antes da infusão intravenosa pelo rompimento dos lacres que separam os dois compartimentos. A emulsão lipídica é misturada com um conjunto de transferência pouco antes da administração. Vitaminas, oligoelementos e eletrólitos adicionais são acrescentados à emulsão lipídica ou infundidos por um acesso intravenoso separado. Quando não são misturadas, essas bolsas têm validade de 12 a 24 meses.1

Bolsa de três compartimentos

Sistemas de bolsas de três compartimentos (3CBs) são bolsas-padrão AiO que permitem a administração de macronutrientes, com ou sem eletrólitos, disponíveis em três compartimentos separados divididos por lacres que podem ser facilmente abertos antes da administração. Os micronutrientes (vitaminas e oligoelementos) podem ser adicionados à mistura reconstituída conforme necessário.

Comparadas com outros sistemas de aplicação, as bolsas de três compartimentos possuem diversas vantagens principais:

  • Conveniência prolongada em nutrição parenteral
  • Terapia flexível e adaptável que atende às necessidades da maioria dos pacientes13,14,15
  • Reduz custos e tempo14
  • Maior segurança das misturas no que tange a estabilidade e a esterilidade, bem como a segurança e a eficácia da terapia2,3,4,16,17,18,19

Meios de Administração

A NP pode ser administrada usando uma bomba para alimentação intravenosa ou por gravidade. Os critérios para a escolha do meio de administração apropriado incluem:

  • Velocidade da infusão
  • Duração da infusão
  • Precisão exigida
  • Objetivos terapêuticos

A infusão por gravidade depende da pressão hidrostática sem o auxílio de uma bomba de infusão. A velocidade da infusão é regulada por um controlador de fluxo passivo e calculada com base no gotejamento. O controlador de fluxo pode ser uma pinça rolete interagindo diretamente com a sonda ou um controlador específico de fluxo. Este fornece maior precisão e estabilidade do fluxo.

A infusão por gravidade é recomendada se não houver uma necessidade muito grande de velocidade e precisão de infusão.

A infusão auxiliada por bomba é realizada por meio de uma bomba volumétrica trabalhando com conjunto com sistemas de infusão ou por meio de seringas controlando o fluxo com um pistão movido a motor. Essa abordagem é apropriada para infusões de baixo volume. A infusão auxiliada por bomba garante a alta precisão com velocidade constante de infusão e permite o ajuste do ciclo.

  • 1. a. b. c. d. e. f. g. Mühlebach S, Franken C, Stanga Z et al. Practical handling of AIO admixtures – Guidelines on Parenteral Nutrition, Chapter 10. Ger Med Sci 2009;7(18).
  • 2. a. b. c. d. e. f. g. Pertkiewicz M, Dudrick SJ. Different systems for parenteral nutrition (AIO vs. MB). In: Sobotka L, editor. Basics in Clinical Nutrition. Praga: Galen 2011;370-372.
  • 3. a. b. c. Sandström R, Hyltander A, Körner U et al. The effect of energy and nitrogen metabolism by continuous bolus, or sequential infusion of a defined total parenteral nutrition formulation in patients after major surgical procedures. JPEN1995;19:333-340.
  • 4. a. b. c. Meguid MM. Clinical applications and cost-effectiveness of All in One. Nutrition 1989;5(5):343-344.
  • 5. a. b. c. Pertkiewicz M, Dudrick SJ. Basics in clinical nutrition: Systems for parenteral nutrition, different systems for parenteral nutrition (AIO vs. MB). e-SPEN 2009;4:e123-e124.
  • 6. Barnett MI, Pertkiewicz M, Gosslett AG et al. Basics in clinical nutrition: Parenteral nutrition admixtures, how to prepare parenteral nutrition (PN) admixtures. e-SPEN 2009;4:e114-e116.
  • 7. Valentin A, Capuzzo M, Guidet B et al. Errors in administration of parenteral drugs in intensive care units: Multinational prospective study. BMJ 2009;338:b814.
  • 8. Turpin RS, Canada T, Rosenthal V et al. Bloodstream infections associated with parenteral nutrition preparation methods in the United States: A retrospective, large database analysis. JPEN 2012;36:169-176.
  • 9. Turpin RS, Canada T, Liu FX et al. Nutrition therapy cost analysis in the US: Pre-mixed multi chamber bag. Appl Health Econ Health Policy 2011;9:281-292.
  • 10. Braga M, Ljungqvist O, Soeters P et al. ESPEN Guidelines on Parenteral Nutrition: Surgery. Clin Nutr 2009;28:378-386.
  • 11. Crill CM, Hak EB, Helms RA. Accuracy of parenteral nutrition solutions compounded with automated systems and by hand. Am J Health Syst Pharm 2005;62(22):2345,2348.
  • 12. Dickson LB, Somani SM, Herrmann G et al. Automated compounder for adding ingredients to parenteral nutrition base solutions. Am J Hosp Pharm 1993;50:678-682.
  • 13. Pichard C, Schwarz G, Frei A et al. Economic investigation of the use of three- compartment total parenteral nutrition bag: Prospective randomized unblinded controlled study. Clin Nutr 2000;19:245-251.
  • 14. a. b. Raper S, Milanov S, Park GR. The cost of multi-compartment ‘big bag’ total parenteral nutrition in an ICU. Anesthesia 2002;57(1):96-97.
  • 15. Menne R, Adolph M, Brock E et al. Cost analysis of parenteral nutrition regimens in the intensive care unit: Three-compartment bag system vs multi-bottle system. JPEN J Parenter Enteral Nutr 2008;32(6):606-612.
  • 16. Carter DM, Wheatley C, Payne-James JJ et al. Home nutrition survey in the UK: the patient’s perspective. Clin Nutr 1993;12:208-212.
  • 17. Rollins CJ, Elsberry VA, Pollack KA et al. Three-in-one parenteral nutrition: A safe and economical method of nutritional support for infants. JPEN 1990;14:290-294.
  • 18. Mitchell KA, Jones EA, Meguid MM et al. Standardized TPN order form reduces staff time and potential for error. Nutrition 1990;6:457-460.
  • 19. Flynn EA, Pearson RE, Barker KN. Observational study of accuracy in compounding I.V. admixtures at five hospitals. Am J Health Syst Pharm 1997;54:904-912.

mais informações

Mulher no leito hospitalar com comida na mesaartigoFundamentos de Nutrição
profissional
nutricionista
enfermeiro/a
farmacêutico/a
médico/a
Sobre Nutrição Clínica
Médico e enfermeira próximos ao paciente no leito hospitalarartigoAdministração de Nutrição Parenteral
médico/a
Manuseio e Administração de Terapia Nutricional
Enfermeira segurando a mão da pacienteartigoAdministração de Nutrição Parenteral
profissional
nutricionista
enfermeiro/a
Manuseio e Administração de Terapia Nutricional
Enfermeira diante de um suporte para soroartigoAjuste da Nutrição Parenteral
profissional
enfermeiro/a
Manuseio e Administração de Terapia Nutricional
Farmacêutico em uma farmácia hospitalar ajustando a NPartigoAjuste da Nutrição Parenteral
farmacêutico/a
Manuseio e Administração de Terapia Nutricional
Médico ao lado de uma paciente explicandoartigoAjuste da Nutrição Parenteral
nutricionista
médico/a
Manuseio e Administração de Terapia Nutricional

Downloads