Combatendo o deficit calórico com nutrição parenteral suplementar | Unidos pela nutrição clínica

Combatendo o deficit calórico com nutrição parenteral suplementar

Como a nutrição adequada pode melhorar os resultados de pacientes hospitalares

A nutrição clínica (NC) deve ser adequada para combater eficientemente o deficit calórico. Isso é um desafio, principalmente em pacientes críticos. É importante fazer um controle nutricional rigoroso para prevenir desnutrição, hiperalimentação e síndrome de realimentação.

Nutrição enteral (NE) insuficiente em pacientes críticos

No âmbito da terapia intensiva, a NE muitas vezes não é viável 1,2 devido a limitações da tolerância gastrointestinal ou interrupções frequentes, como procedimentos relacionados a tratamentos ou cirurgias.3,4,5

A nutrição clínica inadequada pode implicar em deficits nutricionais. Se adquiridos precocemente, esses deficits ocasionam complicações (infecciosas), aumento no uso de antibióticos, ventilação mecânica, tempo de internação prolongado na UTI e aumento da mortalidade.6,7,8,9,10,11

Clique aqui para ler mais sobre os riscos relacionados a deficits calóricos.

A nutrição parenteral suplementar (NPS) pode ajudar a melhorar os resultados de pacientes críticos

Quando a NE não for suficiente, a NPS precoce é uma estratégia eficaz e segura para suprir as necessidades nutricionais e prevenir os deficits nutricionais.1,2,12,13A NPS precoce pode melhorar os resultados dos pacientes no âmbito da terapia intensiva.2,12,13

Heidegger et al. mostraram que a NPS introduzida após 3 dias de NE insuficiente resultou em uma melhora significativa da energia e aporte proteico em pacientes da UTI entre o 4º e o 8º dias em comparação com a administração apenas de NE. A mesma pesquisa também detectou uma média significativamente menor de dias fazendo uso de antibióticos, bem como a diminuição de infecções hospitalares adquiridas entre o 9º e o 28º dias. A suplementação energética individual com NPS no 4º dia após a internação na UTI deve ser levada em conta para melhorar os resultados de pacientes críticos no caso de NE insuficiente.2

A NPS é uma alternativa segura ao se combater deficits calóricos em pacientes críticos:

  • A NPS é uma estratégia eficaz e segura na prevenção de deficits calóricos e para suprir as necessidades nutricionais. 1,2,12,13
  • A NPS aumenta de forma significativa a energia e o aporte proteico médio.2
  • A NPS ajuda a contrabalancear a ingestão enteral viável e as necessidades reais.12
  • A NPS implica em uma média significativamente mais baixa de dias fazendo uso de antibióticos e uma redução no número de infecções hospitalares adquiridas na UTI2
  • A NPS precoce é segura tem boa tolerância se administrada adequadamente. 2,12,13

 

  • 1. a. b. c. Berger M, Pichard C. Development and current use of parenteral nutrition in critical care - an opinion paper. Crit Care 2014;18(4):478.
  • 2. a. b. c. d. e. f. g. Heidegger CP, Berger MM, Graf S et al. Optimisation of energy provision with supplemental parenteral nutrition in critically ill patients: a randomized controlled clinical trial. Lancet 2013;381(9864):385-393.
  • 3. Adam S, Batson S. A study of problems associated with the delivery of enteral feed in critically ill patients in five ICUs in the UK. Intensive Care Med 1997;23:261–266.
  • 4. De Jonghe B, Appere-De-Vechi C, Fournier M et al. A prospective survey of nutritional support practices in intensive care unit patients: what is prescribed? What is delivered? Crit Care Med 2001;29:8-12.
  • 5. O´Meara D, Mireles-Cabodevila E, Frame F et al. Evaluation of delivery of enteral nutrition in critically ill patients receiving mechanical ventilation. Am J Crit Care 2008;17(1):53-61.
  • 6. Alberda C, Gramlich L, Jones N et al. The relationship between nutritional intake and clinical outcomes in critically ill patients: results of an international multicenter observational study. Intensive Care Med 2009;35:1728–1737.
  • 7. Dvir D, Cohen J, Singer P. Computerized energy balance and complications in critically ill patients: an observational study. Clin Nutr 2006;25(1):37-44.
  • 8. Faisy C, Candela LM, Savalle M et al. Early ICU energy deficit is a risk factor for Staphylococcus aureus ventilator-associated pneumonia. Chest 2011;140(5):1254-1260.
  • 9. Rubinson L, Diette GB, Song X et al. Low caloric intake is associated with nosocomial bloodstream infections in patients in the medical intensive care unit. Crit Care Med 2004;32:350-357.
  • 10. Petros S, Horbach M, Seidel F et al. Hypocaloric vs Normocaloric Nutrition in Critically Ill Patients: A Prospective Randomized Pilot Trial. JPEN 2014.
  • 11. Villet S, Chiolero RL, Bollmann MD et al. Negative impact of hypocaloric feeding and energy balance on clinical outcome in ICU patients. Clin Nutr 2005;34:502-509.
  • 12. a. b. c. d. e. Singer P, Anbar R, Cohen J et al. The tight calorie control study (TICACOS): a prospective, randomized, controlled pilot study of nutritional support in critically ill patients. Intensive Care Med 2011;37:601-609.
  • 13. a. b. c. d. Thibault R, Heidegger CP, Berger MM et al. Parenteral nutrition in the intensive care unit: cautious use improves outcome. Swiss Med Wkly 2014;144:w13997.

mais informações

médico com estetoscópio que prende uma prancheta e canetaartigoPrevenindo o déficit calórico
profissional
nutricionista
enfermeiro/a
farmacêutico/a
médico/a
Sobre Desnutrição Relacionada a Doença
Médico com a prancheta em frente à solução de NPartigoO que é Nutrição Parenteral?
profissional
nutricionista
enfermeiro/a
farmacêutico/a
médico/a
Sobre Nutrição Parenteral
profissional da saúde com paciente sentado na cadeira próximo ao suporte para soroartigoIndicações para Tipos de Nutrição Clínica
nutricionista
médico/a
Sobre Nutrição Parenteral
enfermeira com paciente sentado na cadeira próximo ao suporte para soroartigoIndicações para Tipos de Nutrição Clínica
profissional
enfermeiro/a
Sobre Nutrição Parenteral

Downloads